Alexandra Lopes da Cunha

Sobre a autora: A escritora brasiliense ALEXANDRA LOPES DA CUNHA é uma Doutoranda em Escrita Criativa pela PUCRS e já recebeu menções honrosas em prêmios nacionais e internacionais de contos, tendo ficado em primeiro lugar no Concurso ‘El Día E’, organizado pelo Instituto Cervantes em 2014. Naquele mesmo ano, publicou também seu segundo livro, que venceu o ‘Concurso IEL 60 Anos’.  Em 2016 lançou “Bífida E Outros Poemas” pela Editora Kazua. O romance “Demorei a Gostar da Elis” foi o ganhador da Categoria Romance do Concurso Nacional da Editora Kazuá em 2016.

Sobre a obra:

Demorei a gostar da Elis: O livro é um romance que retrata uma geração: a dos que nasceram entre o final dos anos sessenta e início dos setenta, a “Geração Coca-Cola”, como cantou Renato Russo, que viveu o Milagre Brasileiro, a hiperinflação, a democratização, a década perdida e o que se seguiu. Os personagens Libertad Dias da Costa e José Brasil Bataglia Vergueiro encontram-se num momento difícil, e é por esta dor que as memórias vividas começam a surgir no reencontro. Colegas de escola na infância, com adolescências separadas e diferentes juventudes, suas experiências de vida – maternidade, paternidade, desamor e morte – se confundem com a desesperança dos dias atuais. É na vida adulta que as lembranças se adensam. Narradores se alternam em capítulos não lineares sob a musicalidade das epígrafes de canções que marcaram os anos 70, 80 e 90 vividos intensamente pelas personagens.

Bífida e Outros Poemas: A poética de Alexandra Cunha é um misto de elementos clássicos e de imagens contemporâneas. A poesia de sua obra lançada pela Editora Kazuá, ‘Bífida E Outros Poemas’ é sobretudo lírica, mas principalmente musical. Trata-se de um livro seguro de seu ofício, que, com certeza, revelará ao leitor um espaço-tempo que, de forma encantatória, paira na imaginação da poeta.

Bífida é fruto da imersão completa da autora em seu processo de criação, resultado da dedicação à paixão pelas palavras. Inevitavelmente femininos, os poemas são gestados e trazidos à luz unindo a escolha da sonoridade da palavra, à organicidade do momento de concepção dos versos.

Em interação direta e constante com a fotografia P&B marcante de Raul Krebs, o livro transcende fronteiras criativas e permite plena autonomia ao fotógrafo, que compõe as cenas em um diálogo livre com os textos de Alexandra Lopes da Cunha. O encontro dos dois artistas e amigos de longa data,  resulta em uma obra poética tão delicada quanto visceral.