Edner Morelli

Sobre o autor: Edner Morelli (1978) é natural de São Paulo. Mestre em Literatura e Crítica Literária pela PUC-SP e é professor universitário há mais de dez anos. Sua estreia em livro deu-se em 2002, com a publicação de “Latência”, pela A-temporal Editora. O segundo livro leva o nome “Hiato” e foi publicado em (2012), pelo selo editorial Musa Rara-Terracota. “Cenário” é seu terceiro livro de poemas.

Nomes como Oswald de Andrade, Manuel Bandeira, Carlos Drummond de Andrade, os irmãos Campos e Décio Pignatari, Cacaso, Francisco Alvim e Paulo Leminski são possíveis vozes de confluência de sua arquitetura estilístico-poética.

Sobre a obra: “Cenário” é o terceiro livro de Edner Morelli. Nas palavras do autor: “A poesia está aqui, pairando no ar em negativo, cabe ao poeta revelá-la”. Encontramos, nesse livro, a pequena série Três contos colhidos da mesa ao lado, fruto da aptidão em recortar a poesia do rio caudaloso do discurso ao estilo de Francisco Alvim. A escolha vocabular, a metalinguagem, as desventuras amorosas, o cotidiano, o diálogo com a tradição e o trabalho exaustivo de um poeta detalhista, (pós) moderno e formal estão presentes em “Cenário”.

No tocante às suas influências poéticas, encontramos marcas significativas da poesia moderna brasileira. A economia verbal, permeada de certa ironia persistente, resulta num verbo ligeiro e, em vários momentos, um verbo-quase- nominal. A economia linguística faz-se como estilo e conceito de seu fazer poético. Alguns textos de Edner Morelli podem, sem prejuízo de análise, serem categorizados de “aforismos poéticos”, à maneira de um Mário Quintana, como no caso de “TEOREMA: O Inacessível sempre exato”.