Peter Boos & Fernanda Vizeu

Sobre os autores: Fernanda Vizeu e Peter Boos são um casal de artistas brasileiros que desenvolvem trabalho conjunto desde 2013 e vivem em Berlim desde 2014. Em suas peças, elementos das artes visuais e do teatro contemporâneo agregam-se, englobando o debate sobre a conscientização e multiplicando as possibilidades de comunicação com o espectador. Ambos pulsam juntos uma veia ativista, unindo talento e causa social, participando de discussões e produzindo narrativas sobre a atual crise política, assunto ainda escasso no cenário da dramaturgia. 

Peter Boos é graduado em Artes Cênicas pela Unirio, universidade federal no Rio de Janeiro, cidade onde também desenvolveu durante 12 anos atividade artística profissional como ator, coordenador cultural, designer gráfico e produtor.

Fernanda Vizeu é formada pela Escola Técnica Estadual de Teatro Martins Pena (Rio). Em Berlin, onde atualmente aprofunda sua pesquisa como atriz e artista performer, participou do espetáculo teatral “Global Duty”, na Ballhaus Naunynstrasse. Em junho de 2015 apresentaram a exibição de própria autoria “Brazil Exposed”, dentro da exposição central do maior festival de arte de Berlim, o 48 Stunden Neukölln, naquele ano com o tema “S.O.S. – Art Saves the World” (S.O.S. – A Arte Salva o Mundo). A partir de agosto de 2016 retornam ao Rio de Janeiro para o desenvolvimento de novos projetos.

Sobre a obra: Uma jovem artista brasileira, motivada por levantes populares contra o aumento no valor do transporte público em várias cidades no Brasil, se propõe a realizar um trabalho um tanto polêmico: decidida a não colaborar com os conchavos para enriquecimento ilícito de políticos e de empresários do transporte público no Rio de Janeiro, ela num ônibus com uma câmara na mão e se nega a pagar a passagem, pulando a roleta e provocando um debate junto aos passageiros no ônibus.

O registro em vídeo vai parar na internet, recebendo uma enxurrada de comentários contra e a favor. “Catraca Catraca, As Vozes do Povo Brasileiro”, escrita a quatro mãos pelos artistas Fernanda Vizeu e Peter Boos, é uma dramaturgia que propõe novas formas e dá voz a diferentes perspectivas e opiniões sobre as injustiças a que é submetido diariamente o cidadão brasileiro. Promovendo um debate popular sobre o que é considerado legal ou ilegal, ou ainda legítimo ou ilegítimo, em um país que tem a corrupção em todas as esferas sociais como uma de suas grandes mazelas, a peça traz à tona questões sociais, raciais, políticas e históricas vividas diariamente pelo cidadão brasileiro, além de questionar o que é arte e qual a sua função na sociedade, especialmente em um momento em que o debate político se mostra mais do que necessário.