LANÇAMENTO: ‘Réveillon das Estrelas’, de Carla Moura

17/07/2017

No dia 21 de julho, a autora Carla Moura apresenta seu livro de poesias Réveillon das Estrelas no Espaço Cultural Kazuá, no centro de SP. O evento começa as 19h e a autora convida todas e todos a comparecerem.

Carla Moura é uma escritora paulistana que atua também como jornalista. Escreve no blog Parafraseando, e alimenta o sonho de transformar o mundo num lugar mais justo e mais humano.

Em “Reveillon das Estrelas”, a escrita da jovem poeta revela o desnudar de uma alma que anseia e busca, através do sonho e da própria poesia, o fascínio essencial da vida, sufocado e esquecido. Sua poesia mostra uma ambígua insatisfação. Há uma sede, um fogo que persiste vingar, mesmo que a morte apareça em seu estilo deliberadamente gótico, romantizado e sedutor. Seus versos falam de sentimentos humanos, de maneira lírica e sensível, neles habitam afetos, desilusões e pequenos insucessos, além de um sentimento vertiginoso pela liberdade. A figura da Noite ecoa como uma vitória enuncia coisas quase nunca ditas. Essas passagens são análogas às estrelas, que exercem muito mais do que a função de corpos celestes dentro das inclinações da poeta. As estrelas, neste caso, são a completude singular e vital dos nossos sentimentos. Assim os versos de Carla Moura materializam o mundo não escrito que habita dentro da subjetividade da poeta e também de cada um de nós.

“Os versos de Carla Moura materializam o mundo não escrito que habita dentro da subjetividade da poeta e também de cada um de nós. A figura da Noite ecoa como uma vitória enuncia coisas quase nunca ditas. Essas passagens são análogas às estrelas, que exercem muito mais do que a função de corpos celestes dentro das inclinações da poeta. As estrelas, neste caso, são a completude singular e vital dos nossos sentimentos. Sua poesia mostra uma ambígua insatisfação. Seus versos falam de sentimentos humanos, de maneira lírica e sensível, neles habitam afetos, desilusões e pequenos insucessos, além de um sentimento vertiginoso pela liberdade.”

– Márvio Câmara, jornalista e crítico literário